Unead consulta departamentos para definir vagas de EaD

A Unidade Acadêmica de Educação a Distância (Unead) se articula desde agora para definir a oferta de vagas em seus 12 cursos de graduação a distância para o ano de 2016. O objetivo é que a UNEB já tenha esta definição pronta antes de a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior) divulgar seus editais de fomento para os parceiros do sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB). Para isso, a Unead decidiu realizar uma ampla consulta aos diretores de departamentos da UNEB, que terão até o dia 30 de setembro para se posicionarem, por meio de um parecer encaminhado diretamente à Unead, a respeito das demandas por vagas em cursos de graduação apresentadas pelos pólos de EaD.

A Unead precisa agir com antecedência, porque os cursos de graduação a distância não são mantidos com o orçamento da UNEB, mas viabilizados com recursos federais, por meio dos editais voltados para as instituições de ensino superior (IES) credenciadas ao sistema UAB. Além disso, o edital da Capes relativo aos recursos para a realização desses cursos está previsto para ser aberto ainda neste mês de setembro.

Segundo a coordenadora geral da Unead e UAB na UNEB, Kathia Marise Borges Sales, as demandas por cursos de graduação para 2016 foram apresentadas pelos gestores dos pólos presenciais, onde funcionam os cursos de EaD hoje ofertados pela UNEB. Mas esses 36 pólos, hoje em funcionamento e credenciados junto à Capes, não são geridos pela UNEB, mas pelo Estado da Bahia e pelos municípios onde estão localizados, e neles também funcionam cursos ofertados por outras IES vinculadas ao sistema UAB. Por isso, se a UNEB não aprovar a demanda de vagas apresentada pelos pólos, outras instituições públicas vinculadas ao sistema UAB podem fazê-lo.  

Os diretores de departamento precisam considerar, antes de elaborarem o parecer, a promoção da interiorização da oferta de ensino superior permitida pela EaD na UNEB, que vem alcançando estudantes de diversos  rincões do Estado, onde o desenvolvimento econômico é ainda precário e o acesso a transporte para os campi que ofertam os cursos presenciais é escasso. E o perfil dos estudantes de EaD, em geral, distingue-se de estudantes de cursos presenciais, pois os alunos de EaD são, na maior parte das vezes, trabalhadores que não têm disponibilidade de frequentar a universidade durante a manhã e a tarde. Após receber os pareceres dos departamentos, a Unead definirá a oferta de vagas para 2016. 

 

 

Do Núcleo de Comunicação – Unead/UNEB
Texto: Nisia Rizzo de Azevedo – DRT/BA 1847